Sunday, December 13, 2009

Friday, November 13, 2009

panorama econômico

na vida, paga-se um preço elevado para se ser feliz. curioso que sempre há quem o faça atentando sempre em fazer alguma economia para o caso de não dar pro gasto.
já para se ser infeliz, paga-se um preço ainda muito maior que o dobro. e acostuma-se, nestes gastos, a não se fazer economia alguma. esbanjamos até não poder mais, já que para se ser feliz estamos sempre receiosos de esbanjar de mais da conta.

Wednesday, November 11, 2009

Wednesday, November 04, 2009

it´s now or never

- faz tempo (levou quase dois meses para dizer isso).
- pois é.
a frente um mar rúbio, um frio de outono, gaivotas e golfinhos rasantes, areias em sílvios tão finos quanto elas, interrompidas aqui e ali por despautérios de siris que se enroscavam em algas que teimavam em tapar o sol com a sua lerdeza.

(continua? nos próximos meses)

Tuesday, October 13, 2009

provas de amor

-ah! vai, mostra, mostra que me ama.
- e você não vai mostrar também?
- mas eu pedi primeiro. prova que me ama, vai, mostra.
- só se você mostrar o que eu pedi.
- eu mostro, mas primeiro você prova que me ama de verdade e mostra. anda, vai, não vai doer nada! mostra vai...
- o mesmo digo eu para você? mostra que eu não aguento mais.
- mostra você. mostra logo. mostra logo porra! mostra logo a porra da senha desta conta, senão eu não te mostro a porra da borboletinha que se esconde tatuada na minha buceta!

Friday, October 09, 2009

12 de outubro

toda criança já foi velha um dia. mesmo as que morreram sem saber o que era criança e o que era ser velho.

Tuesday, October 06, 2009

lumiar dos vagalumes

amores grandiosos não acontecem nem vivem em casa. isto posto, beijou-a em cuspe e foi-se noite a fora, a catar pirilampos ao som de johnny mathis.

Saturday, September 26, 2009

mas que perfeito

encontrei ainda quase agora hoje o meu amor do presente . e não pensamos no passado e nem fizemos planos para o futuro. foi a sensação mais próxima do que costumam chamar por uma eternidade.

Friday, September 18, 2009

pretérito futuro

encontrei hoje o meu amor do amanhã e fizemos, de novo, planos para o passado, que para nós sempre foi entremeado de presentes sem futuro.

Thursday, September 10, 2009

particípio passado

encontrei hoje o meu amor de ontem e fizemos, de novo, planos para o amanhã, que para nós sempre foi entremeado de futuros sem passado.

Saturday, September 05, 2009

pão de loas

recomendam, quase sempre já banguelas, que é míster separar o joio do trigo. mas para isso é preciso saber o que é casca e o que é miolo, o que pelo andar da carruagem mostra que muita gente mastigou o caroço pensando que era pão.

Thursday, September 03, 2009

quase antítese

não se enganem os afoitos e incautos: é preciso, mais é preciso mesmo, muito método para viver sem método.

Wednesday, September 02, 2009

quase dialética

de soslaio olha-se e pensa-se sobre os homens que vivem pensando em mulheres. ora, nada de mal há nisso, desde que não haja mais mulheres do que pensamentos.

Tuesday, August 25, 2009

cama box(thend)

adeus, eu vou para não voltar

esperança a gente sempre tem

mas juro que desta vez não dá

não chore tanto assim, afinal de contas não é tão ruim

aumenta o espaço, a mesa aumenta, a cama a luz acesa

e você pode agora até -sem sobressaltos- roncar.

Monday, July 27, 2009

sem manteiga

no dia dos namorados, por falta de grana, imaginei improvisar um gift semi-naiff
e dei uma tapioca ao meu amor.
a reação dela ao meu presente ?
um coco.

Saturday, July 25, 2009

corpus christi

os cílios quase polém de papoulas
os lábios que não lembravam nenhum implante
mãos de pianista, alguém comentou certa vez
o que caiu bem naquele espírito cuja voz era a de
um quase rod stewart como se fosse um quase chet baker

seu reflexo no espelho, poison
que o tempo se encarregaria de antidiotizar

assim por muito tempo viveu entre a fímbria da agonia e do extase
no pedaço que nunca pode ser refletido
sem saber sequer o que era dele na ausência e no embaço.
e do que era e não era para ser retido no seu mais puro reflexo

o trinco é que gente nunca sabe nunca se o auto-retrato foi realmente pintado por quem imaginaria ser afinal dele.

Now playing: beatles - getting better
via FoxyTunes

Thursday, July 23, 2009

de como comer uma mulher feia para expiar os pecados cometidos para comer mulheres bonitas.

.... eu sei, ela disse, mas se deixar de fumar eu vou engordar terrivelmente.

quando ela disse isso eu tive certeza de ter encontrado a mulher que procurava. ela possuía pelo menos um certo grau de vaidade, e isso, tendo em vista as circunstâncias fazia dela a mulher ideal. alem de ser um pecado, a vaidade é, de todos os riscos, aquele que torna a mulher mais vulnerável. ela pode resistir à gula, deixando de comer batata frita, à avareza, pagando mais a empregada favelada, à inveja, reconhecendo ter sido um sucesso a operação plástica da amiga, à preguiça, comprando um despertador barulhento para acordar mais cedo, à luxuria,fugindo para a igreja,mas à vaidade ninguém resiste. e a vaidade leva a todos os outros pecados. e o primeiro deles é exatamente a luxúria.

(rubens fonseca, in joana, um dos 27 contos de ela, companhia das letras.)

Now playing: badfinger - baby blue
via FoxyTunes

Tuesday, June 30, 2009

na baixa do sapateiro

misterwalk está trocando o solado. enquanto isto a coisa não vai andar por aqui. sapateiros, sabem como é: pedem cinquenta por cento adiantado e prometem o calçado para quinze dias que nunca duram menos que um mês. e como nisto já estamos todos calejado, coloquemos, os pés - e as barbas de molho .
vamos ver quanto tempo as nossas pegadas resistem sem caminhar.

Thursday, June 04, 2009

aproveite o vácuo

toda perda representa um ganho de espaço. vale para biscuits, babilaques e amores que lhe depenaram.

Monday, June 01, 2009

comprovação comprovada

está definitivamente provado, comprovado e abalisado pelos mais insquestionáveis estudos, pesquisas e estatísticas científicas ou não: o avião é o meio de transporte mais seguro do mundo; principalmente se você não estiver nele, quando se sucede a aplicação da regra à exceção, momento em que se comprova outra verdade insofismável: mesmo coxos, só os deuses podem voar e, mesmo assim, nunca para sempre.

Monday, May 25, 2009

auto-contrôle

não era dado a curvas. aprumou a direção e pisou fundo. até o fim. arrebentando o espaço para toda e quaisquer dúvida sobre a sua capacidade de manter-se reto fosse qual fosse a situação.

Wednesday, May 13, 2009

Tuesday, May 12, 2009

Monday, May 11, 2009

muito vivo

aquele que salva é infitamente superior aquele que mata. mas é preciso estar vivo para reconhecer isto.

Wednesday, May 06, 2009

insuspeito

todo aquele que não é suspeito de nada é muito suspeito. mas cuidado para não acentuar isto em demasia, porque isto também é muito suspeito, mesmo que você não seja suspeito de nada.

Now playing: Black Merda - For You via FoxyTunes

Wednesday, April 29, 2009

sangue de cristo

até aonde mesmo vai o suga-suga das tanto quantas fartas falsas falas da fé?

hoje, nem nos hemocentros você escapa; desta chaga que se tornou a prática coágulo-tonitroante da mistura de ismos entre o histerismo e o mais "novo" ramo do hipercapitalismoselvagem: o mais rendoso dos caças níqueis: o das jugulares excitantes e excitadas, de onde sai, leva.se a tungada que não sangra, na hora, mas que logo, mais cedo do que tarde, tetaniza.

o resultado da mistura de sangue com fé à dinheiro, a história já mostrou aqui e ali mais explícito do que escondidinho como é que se dá o efeito nos transfusionados que se tornam besouros sem carapaças.

sangue de cristo? vade retro os vampiros.

Now playing: Arc Angels - Sent by Angels via FoxyTunes

Saturday, April 25, 2009

o que é isto companheiro ?

o homem que nos deixou de tanga? (não a tanga dos tungados) deu de fazer revoadas às custas da farra de passagens que surta no congresso aqueles que lá foram - pensávamos - de passagem e que querem - e não admitem outra hipótese - se locupletar para sempre, por terra, mar e ar - e onde mais se puder ou pensar que não se pode, no fosso de uma representatividade que: se para nós revela-se castelo de areia, não só para algum deles, concreto, de mármore e torres onde não se chega com as tranças de rapunzel.

talvez não seja assim de admirar o "progresso" do gabeira, e o seu mea culpa, de voo ainda mais raso. um partido que tem nos quadros zeca sarney e joão braga, já seria o suficiente para se dizer que o verde caiu de maduro faz tempo.

apertem pois os cintos que o gabeira subiu ao patamar dos congressistas de rapina. aqueles que de tão alvo voam, que costumam ser pegos dependurados de cabeça para baixo no baixio das bestas. bestas que não outras somos nós pela nossa querência em dar continuidade ao modelo de zelo por durmência.

Monday, April 20, 2009

Sunday, April 19, 2009

feriado de índio

numa terra, país, que adora um feriado por nada, ninguém, factotum que seja e ou, por coisa nenhuma, é deveras sintomático o fato de que 19 de abril, dia do índio, não seja comemorado com um feriado, que deveria ser um dos mais importantes do país, senão o mais, não fosse a nossa cultura de feriado a cultura do tudo fazer para nada lembrar.
paradoxo dos paradoxos - a tal tara por feriados, e imprensados ainda mais, para a maioria dos brasileiros, o dia 19 de abril não passa de um programa de índio, onde não seria de se imaginar tal feriado rastaqueiro e farofeiro, que como tal, e até pelos próprios(farofeiros) é melhor nem lembrar.e nem adianta curumim chamar cunhantã que ninguém vai contar o porquê.
na raiz da cultura dos espelhinhos e seu reflexos, a cara do índio é mancha a ser eliminada.

Now playing: boozoo bajou - night over manaus via FoxyTunes

Saturday, April 18, 2009

acontece a toda hora

"sou brasileiro e não desisto nunca". nunca? bom, eu sou brasileiro, e desisto. até de ser brasileiro.
Now playing: brasil 5000 - sentimental mood via FoxyTunes

Saturday, April 11, 2009

fragmentos do alter-ego

- dizem que o negócio é viver;prefiro ler. só me sinto absolutamente feliz(bem, em suma), quando estou em casa, sozinho, lendo, com a empregada muda(esta eu dispenso)e fornecendo o cafézinho de meia em meia hora;

- apesar disso, sempre estive em algumas das maiores confusões possíveis a um polêmista. porque esta escrizofenia? não é ambição de poder, penso. sou uma pessoa muito particular. minhas amizades íntimas são pouquissímas, e nenhuma é total, quer dizer aberta por completo;

- presumo não estar caquético, porque ainda irrito muita gente(não tanto quanto eles me irritam), o bálsamo do polêmista(ainda que não me julgue tanto);

- falo aqui da vida interior de cada um, da liberdade, em suma, que a cultura oficial sempre nos cerceia.daí, segundo freud, o nosso desgosto permanente. ele achava esta cultura indispensável ao progresso material da humanidade, com a contradição de que o sofrimento individual aumentaria proporcionalmente a este progresso;

- meti-me em política por indignação moral e estética. tenho nojo e horror infinito aos homens que exploram outros homens, os pobres me chocam profundamente, porque os sei desnecessários, produtos da estupidez de 1% da humanidade;

- manter a minha própria sanidade(cada dia mais difícil), dignidade e estar sempre em defesa dos que estão por baixo é o mínimo que posso fazer. e, independentemente, à minha maneira. nada de grupos. não sou e nunca serei gado;

- o gênio não é, como como disse aristóteles, a capacidade infinita de perseverar, e, sim,a capacidade infinita de nos olhar-mos sem remorsos;

- o pior não é a mentira ou a verdade. isso nem existe filosoficamente. e só 0,1% da população sabe disso. o duro é conviver com a meia verdade e a meia mentira, baseadas em verdade e mentiras falsas, que inventamos para fazer de conta que estamos vivos;

- meninos,sobrevivi,não me vendi, às vezes,com muito álcool, chego a me tolerar. e bebo, naturalmente, para tornar as outras pessoas interessantes. até a próxima.

(paulo francis, in duas ou três coisas que sei de mim, em junho de 1971 no pasquim, cuja leitura- do paulo e do pasquim - me valeu mais do que o curso de jornalismo inteiro)


Now playing: ciato&ciato s - also sprach zarathustra via FoxyTunes

Wednesday, April 08, 2009

sem salvação

depois de um vida dedicada a salvar-me de tudo e de todos, salvando nada e tudo ao mesmo tempo, creio que já está na hora de salvar-me a mim (de mim mesmo?).
salve-se então quem se puder.
Now playing: gnr - tirana via FoxyTunes

Sunday, April 05, 2009

pode o roubo ser enfim a educação

mãe e filha presas no recife por roubar livros em uma conhecida rede de livrarias. deu manchete, com direito ao trocadilho com título de lista dos dez mais(a menina que roubava livros).

sob os reclames do prejuízo causado pelo roubo, e um certo laivo de preconceito dúbio - curso superior? então tem meio para a compra; que mãe é esta que ensina tal coisa a seus filhos? mãe e filha foram presas e encaminhadas ao mundo dos sem livros, como seriam qualquer outros ladrões de crueldades sem comparação mas não distantes, que também não seja o surrupio, pego, da lata de leite para alimentar, dos filhos, o corpo. deve-se concluir então que o dura lex sed lex funciona para valer no brasil - menos no congresso, é claro, presidido por um imortal, não de se deve esquecer, pelo menos para não roubar os livros dele que é mau exemplo para onde quer que se vire.

num país onde os que podem, uma porcentagem estúpida, não leem nada que não seja revista de desamoita celebridades, desde que não seja para revenda, todo aquele que rouba livros didáticos, e culturais, principalmente, nem todo livro é cultura, infelizmente, como já vimos, deveria receber mil anos de perdão. e fundos para ser motivado ainda mais a ler. ainda que por arroubo, possa a vir se tornar reincidente.

e,claro, para o leite. para que nossas crianças possam crescer e roubar seu livros com um melhor grau de desenvolvimento mental a ponto de fazerem disto a verdadeira bolsa-família de sua escolha.



Now playing: zuco 103 - fome total via FoxyTunes

Monday, March 30, 2009

na nuca

sem crachá, sem culto, sem bíblia, sem deus.
sou um homem a quem os outros que a isso dão valor dizem ser um homem sem nada. mas por esses nadas que por outras vias são tudo, acredito piamente que nada disso é importante para a felicidade de ter uma vida digna e em paz – omnia mecum porto* - ainda que as vezes transtornada, justamente por conta daqueles que vitimam pela peçonha movida pela inveja que despertam-lhe os libertos e desprendidos, os sem crachá, sem culto, sem bíblias, sem deus.
isso não quer dizer que não possa levar um tiro na nuca por não ter nada disso. aliás já basta o que eu levo no quengo por ser um homem sem crachá, sem culto, sem bíblia, sem deus.
mas com certeza não levarei tiro por conta de crachá, culto, bíblia e deus ou deuses – por deusas sempre há riscos - o que não me impede de contristar-me perante o estampido que estupidifica ainda mais a condição humana, a despeito do que pensam os homem e mulheres com crachá, com culto, com bíblia, com deus, entre eles o que apertou o gatilho.

Now playing: santana - pratice what you preach via FoxyTunes

* trago comigo todas as coisas. resposta do filósofo bias, da grécia, àqueles que, fugindo ao exército persa, se admiravam de ver o sábio sair sem nada levar. para bias só valiam as riquezas do espírito.

Saturday, March 21, 2009

a outra face daquela a quem deram as costas

cuilibet in arte sua perito est credendum*

a deposição de josé pimentel da cruz do espetáculo da paixão de nova jerusalém deu-se, juram cantando ou não o galo três vezes, entre outras crucifixões, por conta da face marcadamente nordestinada de um josé que nunca negou fogo a fé no espetáculo, como se estivéssemos nós em região de cenários abundantes em cristos de cútis e irís zefirellianamente platinadas .

foi assim que iniciou-se a renovação carismática do espetáculo, devidamente assessorado - ou seria assoreado? - pela regras implacáveis do show business coisa que, convenhamos, a igreja entende mais do que ninguém. mas que no seu show must go on teve a sabedoria de nunca mexer, nem no enredo, nem na aura do protagonista, mudando apenas a tipografia do cartaz, conforme a língua.

sem querer colocar mais espinhos nas rosas e nas sandálias do murilo, que vai mais longe em outras praias, por acaso teria ele cara de cristo amanteigado? como deveria ter um protagonista global, destinado ao papel de corromper a autenticidade de um espetáculo que se fez global sem necessidade da globo, cujo interesse no espetáculo e vice-versa não é a multiplicação do pão, vinho ou fé, e sim dos trinta dinheiros calculados a peso de rostos que: ou são a moeda da cara da hora ou a de plantão comercial.

junto do murilo, ainda mais com aquela interpretação de caras e bocas cafuçu de canastra que se vê no "trailer", pimentel é, ou seria, um adônis no papel que sempre lhe coube, e que lhe eternizará pelo milagre operado pelo trabalho do "ator e seu duplo" que superou o personagem sem a necessidade da maquinaria(grotovski o endossaria?) o que em se tratando de cristo não é mole, até porque ele também era um deus na interpretação. e antes que vociferem blasfêmia a mim, que olhem-no, ao josé pimentel, com os olhos do povo que lhe abençoa e pede bençãos ao reis dos reis do arruda, como se diante do próprio ressucitado estivesse.

em matéria de cristo, quem calça as verdadeiras sandálias do pescador? certamente não é quem usa havaianas. e, para sermos justos, dupé também não vale. muito certamente a anatomia do personagem não está também nas ipanemas. e assim voltamos ao marco zero, onde a circunferência nos ensina que até a roda mais perfeita empena posta à prova ante a filosofia do prego.

Now playing: Amelinha - Santo E Demônio via FoxyTunes

* a quem é perito em sua arte deve-se dar crédito

Thursday, March 19, 2009

duros na queda

é muito fácil, facílimo, fácilzinho mesmo enganar o povo.
mas é muito difícil -e bota difícil nisso - convencê-lo de está sendo redondamente enganado.

Now playing: André Geraissati - americas via FoxyTunes

Thursday, March 12, 2009

o arcebispo


cara de aborto ou estupro? questiono-me vendo o esgar dito canônico na face do excomungador.

desta alma agoniada pela verdade que falseia, sendo ele o maior excomungado, não se deve esperar nada além da compulsão ao castigo. pois enferrujada pela autoridade que se proclama tão férreamente acima dos desígnios do homem, sua cruz é avessa ao símbolo do que prega, nela verga o peso de um direito canônico que se quer acima do direito dos homens, sendo ele próprio um direito do homem usurpador do próprio homem: pois renega o homem a escravatura da imagem do que é o próprio arcebispo e não só por apenas parecer não sendo ao fim e ao cabo nada do que parece.

estejamos certos de que onde há dogmas, não há o amor e o perdão necessário; nem para a individualidade nem para a humanidade. apenas a submissão à vontade férrea de uns tantos que em convicção astutamente encarnada assumem o papel de deus. deus que obviamente não existe para além do papel de excomungador.

Now playing: mozart - kirye\gloria
via FoxyTunes

Tuesday, March 10, 2009

sinapse


jacob do bandolim é carlos paredes alegre. carlos paredes é jacob triste.

Now playing: Jacob do bandolin - grauna via FoxyTunes

Sunday, March 08, 2009

conceito desumano


aonde há o homem não pode haver felicidade. pois a definição da espécie é por sí só a anti-felicidade.
é que esta espécie é uma tristeza só. o que cada vez mais se comprova, em sua histórica sina de destruição própria e de tudo que a rodeia, incluindo a própria felicidade.

Now playing: Popa Chubby - Nobody Knows You via FoxyTunes

Thursday, March 05, 2009

quando a falta é excesso de respeito e vice-versa

As pessoas criam regras que não cumprem, impõem comportamentos que não têm, esperam o respeito que não dão e ditam princípios que não seguem. Angela Beirão.


a grande questão que se impôs no pig brother foi o respeito, que um tal caubói não teve com uma certa senhora sexagenária, que por sua vez não deu a mínima de respeito a negros e judeus, entre outras coisas as mesmas, com os mesmos para não variar.

pais estranho este brasil e seus brasileiros. que desrespeitam a tudo e a todos fora da tal casa, incluindo as suas, mas que por força da gravidade tomaram as dores de maneira tal, tal como a " neta" jogada de tal senhora, que até a ela caiu nas graças dos votantes que a retiraram do paredão tal e qual. isto, provavelmente, em parte pela sua defesa da velha senhora - que não é só chata pra caralho mas antes de tudo uma jogadora amoral que aboletou-se nas cobertas de truques emocionais baratos - em parte também tratando-se a respeito da bunda que lhe é um troféu na manga ou seria tanga, em números de irritações e brotoejas masturbadas.

pior que a imagem de uma bunda de respeito(para uns tantos) "abilolada", é a falta de respeito, pela não-igualdade e respeito ao pressuposto de brothers: quem entra num jogo destes - que já se vai no número 9 - não pode querer o privilégio de respeito por questões etárias(nem invocá-la: " é uma senhora") já que se iguala a todos que se permitirem estar nesta, com todas implicações éticas a respeito disto. afinal, abrir mão do respeito, para além da privacidade, é o preço da cartela do milhão, isto está mais do que implícito.

mas não sejamos assim tão mais realistas - pra não ficarmos chatos pra caralho - mas não seria de estranhar que o critério de ascenção de sexagenários à tal prova - uma conquista? - que pressupõe que lá dentro todos são iguais e merecedores do mesmo tratamento - portanto, passíveis de situações onde a gíria, o calão - alto ou baixo - e que portanto deve contemplar a todos sem distinção tenha sido assim tão, tão desrespeitado?
se a jovem é chata pra caralho, isto não é considerado desrespeitoso porque inserido no padrão de linguagem já aceito - inclusive dicionarizado - como do target - sim, uma coisa do caralho, para o bem e para o mal, significa o superlativo, daí tanto é bom pra caralho, como é chato pra caralho. assim é revelador o clamor e as consequências da jogada do clamor pelo respeito para com os mais velhos, o que revela a retomada aos códigos anti-bbb, no momento que lhes convém.

num país que quase ninguém respeita as vagas de estacionamento para os sexagenários; ou portadores de necessidades especiais. que a fila dos sexagenários, tenha se tornado meio de vida(não por culpa deles) e que ninguém respeite os direitos estabelecidos em lei para as senhoras e senhores que são desrespeitados ao nível do acinte, seja nos hospitais públicos, nos postos do inss, no transporte público, clamar pelo respeito a uma velha senhora dentro do big brother é uma espécie de catarse efetiva -e perigosa- num contexto comportamental geral.

por isso o brasil inteiro se sentiu desrespeitado quando um caubói disse que uma pig brother era chata pra caralho; o que não era nenhum desrespeito para com a verdade dos que não caem em chantagens e pantomimas senhoriais, ainda mais exploradas num jogo "corporativo".

merece respeito este brasil? e estes brasileiros?(os de dentro e os de fora da casa) que se julgam assim tão bigs e brothers?

Now playing: kiko veneno - respeto via FoxyTunes

p.s. o programa do faustão, que colocou na berlinda o andré, revelou a face de mulheres - novas e velhas - que se sentiram desrespeitadas. pela reação, são tão iguais ou piores que a naiá, a começar da outra véia chata para caralha(lucimara parisi) no papel de inquisidora de conhecimento tão aprofundado quanto pífio como a sua falta de lugar no programa.
mas o pior de tudo foi ver o caubói capitulando da sua posição. arreglando para ficar de bem com a opinão pública, visando melhoria de imagem com fins comerciais. isto sim indesculpável, já que assim passou de provocateur a caubói chato pra caralho. e aí, haja falta de respeito para com sí próprio, bem ou mal defendido até agora.

Saturday, February 28, 2009

rasgando a fantasia (e vestindo a verdadeira)


acabou o carnaval. agora é que o verdadeiro baile vai começar. todo mundo mostrando a verdadeira cara, só que fantasiada de outra. e com que capricho heim? assim, cumpre-se o velho mandamento que manda dar o outro lado, falso, quando o primeiro não colou.
os figurões do bloco, claro, não seguram o estandarte, apenas o declinam. mas como tem sempre gente do próprio povo disposta a segurar o povo ora ladeira abaixo ora ladeira acima, a depender dos interesses do bloco do deixa disso, estaciona na praça que continua sendo do povo - menos a da esplanada - enquanto o céu é do avião apenas na marchinha que esconde outro refrão.
Now playing: celso blues boy - aquarela do brasil via FoxyTunes

Thursday, February 26, 2009

anti-bbb ou o churchil que o bial esqueceu

para os menos familiarizados, churchil, roosevelt e stalin: qual seria o teor da conversa: a ana pudim de coco ou a indefecavel naiá? (sugestão de legenda em pensamento para o roosevelt: que velho chato do caralho!)

os editoriais intelectualizados do big brother brasil, corporificados ao zelo pela canastrice do pedro biau, bilau, blau-blau?mostram, para quem vê algo mais do que bundas em gelatina, que o pior do bbb não está dentro. está fora. sejam quais forem os participantes.

não vou usar da verga para debastar o bbb e sua significação, enquanto produto distorcido e eufemizado de algo tão terrivelmente assustador na sua origem, que não o deixa de ser em suas ramificações e progressões. mesmo que elas se reduzam a um programa de meia punheta, já que nem isto é assumido. deixando para os leitores menos incautos as intenções ao que se pretende com este laboratório para além dos niquéis contratuais, o que a longo prazo converte-se em não mais que efeito colateral.

prendamô-nos ao significado da citação churchiliana no prêambulo da retirada da casa do caubói. interessante também ressaltar as bases compactuadas para não se discernir o que é realmente falta de respeito. afinal, ser chata é muito pior que velha(velha e chata então?) na medida em em que os velhos são aceites (não integralmente ao que parece) como concorrentes de igual para igual, deparamonos com a distinção - que é muito mais, uma distorção do estigma de respeito velhice - uma vez que é considerado falta de respeito tratá-la de igual para igual, seja ou não a forma usada chula ou chiste de mau gosto(caberia num programa assim etmologias do que é bom ou mau gosto?).

pedro bial, sinalizando editorialmente a verdade da casa - comportamento seguido à risca pela globo, no seu tele-jornalismo principalmente, nem vou falar da novelas, como caminho das índias, citou churchil: "em tempos de guerra, a verdade é um bem tão precisoso que deveria ser escoltada por um bando de mentiras", o que tem significados que vão além também da esfera das lentes do programa, ao ditar uma compormentalização onde caubóis que sacam rápido contra a mentira do respeitável estabelecido, mesmo acertando no alvo, não tem vez, nem no programa nem na sociedade de uma maneira geral. o que é muito cômodo num mundo de flexibilização, na verdade genuflexão imposta por quem já de há muito perdeu-se, de e da verdade, só lhe restando a escolta da mentira. aliás, isto assim dito equivaleria a dizer que na verdade a naiá é mesmo uma velha chata pra caralho? e que ninguém teve peito de dizer na lata? para fazer o jogo do bom-mocismo que engole o cuspe e o catarro visando o milhão?

bem, rodou o peão. confirmando o ditado turco: diga a verdade e saia correndo. neste caso ele o corrido.

mas como o citado é churchil, relembremos outra citação: " a mentira roda meio mundo antes da verdade ter tido tempo de colocar as calças" churchil.

voyeurs ou exibicionistas, antes de colocarmos as calças(o que faz a audiência cair) dentro e fora do bbb, independentemente da idade, teremos, todos, a ouvi-lo fadados a perder o verdadeiro sentido da guerra e do que devemos combater de verdade, com a verdade, para além das citações de algibeira ou seria de cartucheira ?
Now playing: steely dan - dirty work via FoxyTunes

Sunday, February 22, 2009

do homem, sem folia

chove no carnaval. as alegrias - e as tristezas - estão molhadas. a alma, lavada, como os paralepípedos que registram mas não guardam de quem os pés que lhe deixam marcas - de nada adiantaria mesmo tal sua existência breve, eternamente fadados a feira de cinzas.

acho graça caminhar por entre os momentos que a mírdia não registra. ai vou eu sem máscaras ou fantasias, homem de nenhum disfarce, aprisionado no enredo do sou o que sou, e que se foda o mundo, inclusive eu, bloco sem nenhum seguidor, pelo menos por agora, nem de longe.

livre dos epítetos - e do xixi - de carnaval da multi-culturalidade, do melhor carnaval do mundo o ar até parece estar mais respirável: ladeiras mais bucólicas, gatos, vira-latas e bem-te-vis tem instantes de calma. até as lagartixas concordam que sim sem nenhum clarim a ribombar-lhe os intestinos. silêncio quase monástico - já cantado por alceu - deste modo onde tarol, sem fala, rima com o olho e as narinas do farol.

estandarte do bloco do eu sozinho passo sem cogitar agremiações, usufruindo do que a chuva traz e leva ao mesmo tempo. tudo e nada, contados às favas por ninguém. mesmo que seja eu a observar que o homem do meio dia é, sim e não, o reverso do homem da meia noite em suas tristezas e alegrias. muito embora em mim não haja pantomima patrocinada. só disposição - ou suposição - de pensar que o carnaval com chuva é a única maneira de não deixar os homens se tornarem bonecos de uma folia que mais cedo ou mais tarde comandará suas cabeças até o ponto de corte, na goela que vai cuspir em desprezo o sol que antes desceu redondo e gelado como convém ao galhardete de muito antes enforcado nos postes, até estes pelo peso de tão institucionalizada alegria envergados.

Now playing: lulu santos - éros e tanátos via FoxyTunes

Tuesday, February 17, 2009

fosse médico e era igual


já não soam a mentiras as vantagens que contava em roughs.

fartou-se antes do infarto por vivê-las como se mentiras fossem; alteradas com a convicção de quem agora faltava apenas a meia verdade? isso, se muito, depois de tanto regurgitar sobre o antes tarde do que nunca, porque não mais cedo? vai ver a hora é mesmo esta.

por anos a fio, que não sabidos a certo quantos, contadas as noites tornadas dias e os dias tornados semanas, se era mais ou menos homem pelo que fazia ou deixava de fazer, o homem que se dizia publicitário o que não importa se na verdade fosse apenas médico, um homem; só isto. fruto e vítima da mordida de coisas ancestrais que o marketing julga que trinca quando molda mas não separa sequer do arroto.

isto posto e findo, não tinha agora nada mais do que estórias para contar.
seria esta sua riqueza ou apenas a receita final do placebo que com que se auto-receitou a vida inteira?

Now playing: gomez - get myself arrested via FoxyTunes

Saturday, February 14, 2009

ensaio geral


vida é pra viver e não pra ver.
quem fica só assistindo a vida passar paga um preço.

ultimamente tenho me dado conta que em boa parte dela tornei-me um espectador e talvez até mesmo, sinal dos tempos, um tele-espectador, um net-espiador.

para além da perda, resta algum ganho?que não tenha veia sociológica? talvez, talvez.

não gosto de tudo que vi - a meu respeito inclusive - mas também não desgosto de tudo, inclusive dos desgostos.

o preço de se observar é caro. camarote, platéia ou na fila do gargarejo. muitas vezes além das minhas posses.

se aprendi com tudo o que vi? nem que seja por "osmose ou contágio"? certamente que sim, pensei algumas vezes, certamente que não noutras. estava certo algumas, errado? quantas nem sei quanto.

mas é fato que apesar de ter a consciência de que ver a vida passar é algo bem menor do que vivê-la - isto se você não for um observador para a eternidade, como o fazem alguns poucos imortais - pelo resultado de suas observações, sejam artísticas ou científicas - não peço de volta o dinheiro do ingresso pelos espetáculos que ví dentro do espetáculo da vida - tantas vezes em nada espetaculosos e ou grandiosos e sim, pequenos, medíocres, quando não mórbidos e de uma crueldade, que só mesmo a condição da vida é capaz de conservar.

não peço bis, mas como diria o bardo, bem que tudo que eu vi( e vivi) podia ter sido apenas um ensaio.

mas não foi. é a vida. tenha-a eu vivido ou mediocremente só observado.

Now playing: air - remember via FoxyTunes

Saturday, February 07, 2009

caras de cão



ao receber o globo de ouro, mickey rourke, catapultado da sarjeta ao olimpo por uma atuação soberbamente orgânica em " o lutador ", agradeceu aos seus cães, enfatizando que, às vezes, a única coisa que um homem tem no mundo é o seu cão.

dono de seis cachorros no momento, todos retirados de abrigos, reafirma que na sua pior fase, seus cães deram-lhe afeto e o ensinaram que ele podia cuidar de algo vivo, e não só o destruir. disse ainda que não estaria ali se não fosse por eles. e que espera reencontrá-los quando morrer.

o que será dos homens que sequer tem os seus cães, se calhar nem os seus demônios, destes do tipo que atropelam intencionalmente cachorros, principalmente quando estão engatados, ou daqueles que jogam água fervente em cães e gatos, ou deixam-lhes morrer á mingua, não sem antes uma boa tortura ou envenenamento, quando não do intestino, d´alma pelo abandono ?

qual a cara de cão que não existe em outros nós ?

para estes animais, haverá salvação ?

Now playing: jarabe de palo - perro apaleao via FoxyTunes

Wednesday, February 04, 2009

qual recheio de um sorriso de sonho ?


independe do tônus das maças de qualquer rosto. certas pessoas conservam um frescor inexplicável nos sorrisos. não se pode dizer que é obra de quem viveu só bem pois, várias vezes, vem de quem sofreu como jó. tampouco é coisa da idade, pois já vi muitos sorrisos teens em gente que já virou o século de há muito e muito sorriso dilacerado em quem certamente virará o outro. de qualquer modo chega a ser atômico no momento em que ocorre. poder-se-ia até dizer que é comparável antípoda ao sentir orgasmo. pois, se o orgasmo nos dá a visão de tanátos em átimos, estes sorrisos dão-nos a visão da vida desabrochando nova e novamente nova numa reverberação que chega ao exterior como um susto bom.

não se deve perder tempo com a explicabilidade destes sorrisos. só aproveitá-los. quem tem a sorte de encontrá-los pela frente, pode até acreditar que a vida vale a pena, tamanha graça ao espocar a luz do seu bem-estar. é como ver uma pessoa mordendo o sonho de fazer o bem e respigando o recheio nos outros que tem a graça de tê-lo a frente. se tal sorriso provém do homem ou mulher com sorriso casado para com o seu bem, pode-se mesmo dizer que é um sorriso cheio de sonho.

e, se assim é, assim sendo, não se resiste a de que é feito o recheio de um sorriso de sonho? creme, goiaba ou marmelo ? ou simplesmente lambidas de gente ferida de vida e sol ?

Now playing: travis - the last laugh of the laughter via FoxyTunes

Tuesday, February 03, 2009

sem fôlego


eu vou aonde você for, disse julieta.
mas ela não sabia nadar, constatou romeu, arquejante, do outro lado da margem.

Now playing: jarabe de palo - agua via FoxyTunes

rotunda


enquanto todo mundo sonha com um carro novo eu sonho com um carro velho.

então, a tal diferença entre o sonho e a realidade, é isto mesmo: na aparência de velhos, sonhos que se querem sempre novos; e pesadelos, na figura de uns tantos novos, que se tornarão velhos, sem jamais ser sonhados.

Now playing: solomon burke - only a dream via FoxyTunes

Monday, February 02, 2009

sorriso de dentes

realmente admirável, e invejável, a capacidade que algumas pessoas tem de rir de si próprias.
mas só quando a piada é boa.

Now playing: Black Merda - Ashamed via FoxyTunes

Saturday, January 31, 2009

a pior das saudades

sentir saudades, de ter saudades; ou seria de não sentir? ou ainda: sentir saudades de sí mesmo?

ou nem isto?Now playing: squeeze - satisfied via FoxyTunes

Friday, January 30, 2009

it´s rainning again


sempre cai, a chuva, em cima de quem não precisa.

nas horas mais imprecisas, seja homem, seja terra, seja bicho, seja grota, está lá, a molhar os ossos de quem já moles, e a empapar em fúria os sonhos de barro tornados lama, de quem agora só insônia, nunca mais sequer pesadelos.

não é esta, aquela, cuja falta murcha flores, atrofia frutos, e murcha peles e intestinos. esta chuva é o reverso do sol crescente do here come the sun. é água cheia de trombas, cornucópia de males a estoirar a caixa de pandora. de tão fininha molha o que mais se esconde.

não é mais forçoso, nem certo dizer, que a vida vem da água tão-somente. agora, a morte também, em dilúvios particulares, mais desastrosos que os coletivos, num molhar histérico e circunflexo. vem da chuva, a morte que não mais esgana, apenas engasga. e não é de meteoritos, nem tóxica. tampouco corredeira de lágrimas espremidas em lenços ou lençóis de vingança. é água mole mesmo. da natureza cada vez mais morta. derretendo, apodrecendo e liquidamente nos transformando em brutos sinais do fim de quem agora arrepende-se de não ter podido morrer seco.

contra esta chuva não há guarda-sóis.
Now playing: travis - why does it always rain on me viaFoxyTunes

Wednesday, January 28, 2009

com a boca no mundo

o silêncio é a síntese daquilo que não quer calar.
o problema é que faz um estrondo tão grande que na maioria das vezes potencializa a voz dos energúmenos que gostaríamos de ver calados.

Now playing: The Answer - No Questions Asked via FoxyTunes

Tuesday, January 27, 2009

da falta de visão ampliada


a presbiopia veio, como é de se esperar, por volta dos quarenta e poucos, o que é sempre muito pouco quando se vive de olhos abertos para o que vier.

a falta de visão para longe, mais tarde, dez anos depois, mais ou menos, a memória talvez já acompanhando a falta de visão.

acostumado, por formação - ou deformação - profissional a focar nos detalhes, e neles buscar, para o bem e o mal, a diferença, sem óculos, perde-se, por assim dizer, o distanciamento crítico. é o que acontece agora quando estou sem lentes.

ao mesmo tempo, surge uma nova maneira de ver as coisas - na verdade de não ver - o universo turvo, ao contrário do que poderia se pensar, é mais bonito, as mulheres, por exemplo, principalmente. sem lentes, inclusive as do amor, todas são belas. não há imperfeição. vê-se, ou melhor é tudo uma programada ilusão de óptica. a loura fatal, onde de loura apenas a tintura que lhe corrói o tônus, a depender dos nossos reflexos ressurge teen.

na verdade, descobri este novo dom da visão por esquecimento dos óculos. como sem eles apenas perco os detalhes, mas continuo tendo a visão do todo, arrisquei dirigir sem eles. e aí não deu outra: um mundo novo abriu-se para mim.

mulheres feias passaram a se sentir atraentes; homens carrancudos, não mais que de soslaio tornaram-se simpáticos, grupos grotescos tornam-se pitorescos e assim por diante. e de certa maneira, torno-me um mensageiro da felicidade, pois assim cego, nada me espanta e a tudo reajo com a naturalidade da suspensão do susto pela ausência da percepção da forma esvaziada nos seus contornos mais devidamente preenchida pelas expectativas de outras ânsias.

quem assim olhado, passada a sensação da impossibilidade internalizada do primeiro instante de recusa pelos olhos de quem sempre enxerga o mesmo, guarda lembrança para o resto dos dias destes. e, como dizem os especialistas em serem convocados para redundar nos tele-jornais , a autoestima aumenta e o bem estar se espalha, deixando todo mundo mais feliz neste desfoque acertado.

e como a felicidade é um tipo de crack de efeitos e duração ainda mais devastadora , não é de surpreender que isto vicie. dá mesmo vontade se sair sem óculos a todo instante, para ver a vida mais feliz. um vício dentro de outro chamado vida, do qual também é muito difícil largar por vontade própria, de maneira que vamos procurando enxergar o que nos mantém vivos mesmo por desfoque os mais ou menos que vislumbramos enxergar.

e assim, apesar de todos os desenganos, que os acertos ou enganos da nossa visão boa ou má sempre acabam por nos trazer ou para aqueles para os quais depositamos nosso olhar mais profundo ou equivocado, esta falta de visão ampliada nos conduz a amores cegos, cujo melhor é que não tateiam no escuro como fazem aqueles despertados pelo melhor da nossa visão.

no fundo, no fundo da retina, olhamos e sabemos que não está lá. nem sequer nos nossos olhos. é algo muito antes dela, também da formação da lágrima, e até do brilho que se recusa a nos espelhar como realmente somos em nossa mais completa escuridão.

Now playing: The Fevers - Seu Olhar (Temptation Eyes) via FoxyTunes

Saturday, January 17, 2009

quase lucáksiano


mesmo na mentira há que se ter uma certa verdade. qualquer que seja o ato, sem convicção, torna-se ainda mais falso do que o é sendo verdadeiro.

Now playing: crosby, stills & nash - Deja Vu via FoxyTunes

Sunday, January 11, 2009

o fim do trema

bom, não é o fim do mundo;ainda.

mas num país em que mais da metade da população, com otimismo, é analfabeta funcional, o que não justifica a academia medíocre que tem, o fim do trema, abolido há tempos pela funcionalidade dos não eruditos, não amolece, nem endurece, a linguiça.

ou seja: permanecemos sem saber, e sem opinar, de que é feita a mesma - não a "linguiça", eram salsichas na verdade, que como advertia balzac, esta e leis, melhor não saber como são feitas - mas a reforma, cujo princípio da salsicha que se aplica a feitura da mesma, cujos resultados práticos colocam ainda mais biquinhos, onde não devia haver, entre portugueses, principalmente, com certa razão, enquanto por cá, os biquinhos certos tornam-se outros ainda mais deformados.

p.s. ainda sobre a reforma. k,w,y, tornam-se por decreto oficialmente letras do alfabeto. ora pois, pois: qualquer menino de periferia tem a letra incrustada em seus registros - em portugal é registo, isso sim merecia reforma, mas qual? - de nascimento, através de construção eufônica e sintática de doer os ouvidos, e o senso de ridículo, mas pragmática aos olhos de quem de nascimento estratificado sem nome de brasão apela para o inusitado como pedra base ao reconhecimento da diferenciação entre os aprisionados pela não reforma econômica(no português de portugal é económica; sim para os portugueses não falamos português mas sim brasileiro, uma espécie de sub-língua, pior que se dialeto fosse) o que é a glórya. mas isso é quase latim; ou não?

Now playing: Amy Winehouse - You Know I'm No Good via FoxyTunes

Saturday, January 10, 2009

Friday, January 09, 2009

sem soutien

ditado chinês nos fala sobre a perfeição do seio da mulher quando exato na mão de um homem honesto.

na terra brasílis, grassa sem obséquios, a auto-obsessão pelos peitos siliconados das mulheres verde-amarelas. o que não deve causar espécie a ninguém. afinal, aqui é o paraíso dos homens que fazem princípio de vida, tudo levar na mão grande, não importa a quem ou o quê peitos não os tenha.

Now playing: Querosene Jacaré - O boby via FoxyTunes

Wednesday, January 07, 2009

bem bom, mal mau

o bem, para ser bom, deve ser praticado de forma discreta, quase silenciosa, invisível até, se é que se tem a fé para tanto; o mal, para ser mau, da forma mais espalhafatosa possível; grandiloquente na medida da suas maldades, e até amplificado na raiz da sua praia seca, que seca a quem nele mergulha.

mas a turma do bem, deve experimentar, pelo menos uma vez na vida, a pratica espalhafatosa, grandiloquente e amplificada do bem-bom, que é para sentir o gostinho de até onde pode ir a maldade.

já a turma do mal, não precisa experimentar mais nada: porquê, pra chegar onde chegaram, já haviam experimentado o bem-bom que não lhes deixou gosto de voltar ao anonimato do ovo.

Now playing: André Geraissati - flores de fumaça via FoxyTunes